Público – O período não tem de ser tabu, mesmo para os rapazes que menstruam

O período não tem de ser tabu, mesmo para os rapazes que menstruam

10 de Julho de 2020 por Aline Flor

Para os adolescentes transgénero, a entrada na puberdade pode ser um momento muito doloroso. Esta semana, em conversas no Twitter sobre “pessoas que menstruam”, várias vozes questionaram a expressão.

Pedro recorda-se do zum zum gerado por uma campanha de recolha de produtos menstruais na sua faculdade. O Colectivo Feminista de Letras decidiu colocar os tampões e pensos higiénicos recolhidos não apenas na casa de banho feminina, mas também na masculina. Houve pessoas que estranharam, mas nas conversas começou-se a “fazer o clique”: os colegas transgénero também poderiam precisar desses produtos.

Leia no Público

Público – “És um gender?” O impacto das narrativas anti-género pela Europa

“És um gender?” O impacto das narrativas anti-género pela Europa

2 de Setembro de 2019 por Aline Flor

No episódio desta semana do programa Do Género, falamos sobre o impacto dos movimentos contra a chamada “ideologia de género”, que estão a ganhar força na União Europeia e ameaçam os direitos das pessoas LGBTI, saúde sexual e reprodutiva das mulheres e estudos de género.

Ouça as histórias dos activistas búlgaros Monika Pisankaneva, fundadora do Bilitis Resource Center (a associação LGBTI há mais tempo a actuar no país) e Dimitar Pizhev, da Glas Foundation; o jornalista Roman Imielski, editor da secção Nacional do jornal polaco Gazeta Wyborcza, e a croata Natasa Biselic, especialista em saúde e direitos sexuais e reprodutivos do CESI – Centro para Educação, Aconselhamento e Investigação.

Leia também a reportagem sobre como nasceu esta onda anti-​“ideologia de género” e como está a tornar-se mainstream em vários países da União Europeia.

Subscreva o programa Do Género no iTunesSoundCloudSpotify ou nas aplicações para podcasts. Descubra outros programas em publico.pt/podcasts.​

Ouça o podcast

Público – Dos Prides às marchas críticas: O Orgulho também se vende?

Dos Prides às marchas críticas: O Orgulho também se vende?

21 de Julho de 2019 por Aline Flor

No ano em que Lisboa abriu a marcha LGBT ao apoio de empresas, o Orgulho do Porto saiu à rua sob o lema: “O Porto não se rende e o Orgulho não se vende.” Noutros países, há cada vez mais marchas alternativas. Animar ou libertar a malta — o que faz falta?

No ano em que se completam 50 anos desde a revolta de Stonewall, a marcha do Orgulho LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgénero, intersexo e outras identidades) de Nova Iorque dividiu-se. De um lado manteve-se a gigantesca NYC Pride March, organizada pela Heritage of Pride; do outro, a nova Queer Liberation March, uma proposta do colectivo Reclaim Pride Coalition, que seguiu o percurso original de 1970. No ano em que a cidade recebe também os eventos do Worldpride, esta coligação de associações acusa a Pride de se ter tornado uma montra publicitária para grandes marcas, deixando de espelhar as reivindicações mais urgentes da população LGBT e desviando-se da mensagem original altamente politizada dos primeiros protestos, em 1969.

Leia no Público

Público – A escola fica muito melhor quando mostra todas as cores

A escola fica muito melhor quando mostra todas as cores

11 de Outubro de 2018 por Aline Flor

O dia do coming out, que celebra esta quinta-feira as “saídas do armário”, levou o PÚBLICO a visitar a secundária da Ramada, onde um grupo de alunos passou os últimos dias a colorir os intervalos, tornando a escola num lugar mais inclusivo. Isto na semana em que uma escola do Porto está no centro das atenções por causa de um questionário à orientação sexual.

Esta semana, na Escola Secundária da Ramada (ESR), em Odivelas, os dias começaram com mais cor nos intervalos. “Não é uma escolha, eu sou assim!”, lê-se num cartaz com um arco-íris, ao lado de outro com vários corações e com as palavras “Dia Internacional do Coming Out” e fotografias de jovens gays e lésbicas a beijarem-se.

Leia no Público